O diferente olhar da Filosofia a respeito do cinema:

relato de experiência sobre o projeto Café com Humanas na Escola de Ensino Médio Adauto Bezerra

  • José Aldo Camurça SEDUC
Palavras-chave: Escola., Cinema, Filosofia

Resumo

O artigo pretende analisar as diferentes maneiras de caracterização da filosofia do cinema. Para tal empreitada pretende-se apresentar alguns exemplos de estudos que podem pertencer a esse corpo teórico. De um lado, conceber a possibilidade de uma filosofia do cinema ocorre quando o filósofo se ocupa com o cinema em seu pensamento. Por outro lado, os autores das teorias do cinema, ainda que não sejam filósofos stricto sensu, podem oferecer asserções sobre o cinema de caráter filosófico. Ainda assim, o caráter filosófico é público e notório na sétima arte. O lado lúdico atrelado ao aspecto imagético tentam traduzir o aspecto estético do filosofar através dos filmes. Não por acaso a utilização do cinema na realidade escolar. Por fim, o texto oferece o exemplo de utilização do recurso do cinema como ferramenta pedagógica na escola de ensino média Governador Adauto Bezerra, em Fortaleza.

Referências

ADORNO, Theodor. Transparencies on film. In: ______. The Culture Industry: selected essays on mass culture. London: Routledge, 2001, cap. 7, p. 178-86.
______.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
BAUDELAIRE, Charles. A Modernidade de Baudelaire. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
BAZIN, André. Teatro e cinema. In: ______. O Cinema: ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991, cap. 10, p. 123-65.
BELLOUR, Raymond. Pensar, contar: o cinema de Gilles Deleuze. In: RAMOS, Fernão (Org.). Teoria Contemporânea do Cinema. São Paulo: Senac, 2005, 1 v, p.233-52.
BENJAMIN, Walter. El narrador. In: ______. Para una crítica de la violencia y otros ensayos: iluminaciones IV. Madrid: Taurus, 1991, p. 111-134.
BORDWELL, David. O cinema clássico holywoodiano: normas e princípios narrativos. In: RAMOS, Fernão (Org.). Teoria Contemporânea do Cinema. São Paulo: Senac, 2005, 2 v, p. 277-302.
CABRERA, Julio. O Cinema Pensa: uma introdução à filosofia através dos filmes. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
COSTA, Flávia Cesarino. O Primeiro Cinema: espetáculo, narração, domesticação. São Paulo: Scritta, 1995.
DELEUZE, Gilles. Cinema 1: a imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.
______. Cinema 2: a imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005.
DUBOIS, Philippe. O Ato Fotográfico. São Paulo: Papirus, 2003.
GUATTARI, Félix. O divã do pobre. In: BARTHES, Roland et al. Psicanálise e cinema. Lisboa: Relógio d’Água, 1984.
KANT, Immanuel. Crítica da faculdade de julgar. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.
MASCARELLO, Fernando. Cinema hollywoodiano contemporâneo. In: ______ (Org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2008, cap. 13, p. 333-60.
MAUERHOFER, Hugo. A psicologia da experiência cinematográfica. In: XAVIER, Ismail (Org.). A Experiência do Cinema. São Paulo, Edições Graal: 2003, p. 375-80.
MUNSTERBERG, Hugo. The Film: a psychological study. New York: Dover Publications, 2004.
ORTEGA Y GASSET, José. A Desumanização da Arte. São Paulo: Cortez Editora, 2005.
RAMOS, Fernão (Org.). História do Cinema Brasileiro. São Paulo: Círculo do Livro, 1987.
STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2006.
XAVIER, Ismail. O Olhar e a Cena: melodrama, Hollywood, cinema novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.
Publicado
23/12/2019
Seção
Relato de experiência