A MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO NO ENEM E NO SPAECE:

A busca por um diálogo

  • Caetano Roberto Sousa de Freitas EEEP - Salaberga Torquato Gomes de Matos
  • Ana Geovanda Mourão Rezende
  • Suiane Costa Alves 1ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE 1).
Palavras-chave: Avaliação em larga escala. Ensino Médio. Integralização.

Resumo

No período de junho a dezembro de 2018, durante o curso de formação continuada para professores de Matemática, realizado pela 1ª Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (Crede 01), sediada em Maracanaú/CE, alguns cursistas relataram haver conflito entre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece), principalmente, no formato das questões. Nesse estudo, buscam-se as semelhanças e as diferenças entre essas avaliações em larga escala. Mediante pesquisa bibliográfica, discorre-se sobre o uso dessas avaliações na educação brasileira e cearense, respectivamente. Por isso, faz-se análise qualitativa entre as competências/habilidades e descritores de Matemática do ensino médio das matrizes de referência do Enem e Spaece. Esses exames partem da mesma matriz curricular da Educação Básica e fornecem subsídios às políticas educacionais da União e do Ceará. Nesse cenário, as diferenciações de abordagem podem ser mitigadas através de ações de integralização, por parte dos alunos, professores, gestores e governantes.

Referências

ANDRADE, P. M. F. O GESTOR E A QUESTÃO CURRÍCULO. Disponível em: . Acesso em: 28 de dezembro de 2018.

APPLE, M. Ideologia e currículo. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 2006. FREIRE, P. Conscientização: Teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo
Freire. 4. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Exame Nacional do Ensino Médio – Enem : relatório final 1999 / Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. – Brasília: O Instituto, 2000. 233 p.: il. tab.

_______. Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 26 jun 2014. Disponível em: <
https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 20 de dezembro de 2018.

_______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (Vide Lei nº 13.666, de 2018). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 26 dez 1996. Disponível em: . Acesso em: 19 de dezembro de 2018.

CEARÁ. Secretaria da Educação do Estado do Ceará. Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação, CAEd. Sumário Executivo SPAECE – 2017. v. 7 ( jan./dez. 2017), Juiz de Fora, 2017 – Anual.


_______. Secretaria da Educação do Estado do Ceará. Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação, CAEd. Portal do Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (SPAECE). Disponível em: http://www.spaece.caedufjf.net/. Acesso em: 20 de dezembro de 2018.

ESTEBAN, M. T. Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. DP&A, 4. ed., Rio de
Janeiro, 1997.

FAZENDA, I. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 6ª ed. São Paulo: Loiola, 2007.

FONTANIVE, N. O uso pedagógico dos testes. In: SOUSA, A. M. e (Org.). Dimensões da avaliação educacional. Petrópolis, RJ. Vozes, 2005.

FORQUIN, J. - C. O currículo entre o relativismo e o universalismo. Educação e Sociedade, ano XXI, n. 73, p. 47-70, dez. 2000. Disponível em Acesso em: 21 de dezembro de 2018.

FRANCO, C. & BONAMINO, A. Iniciativas recentes de avaliação da qualidade da educação no Brasil. In: FRANCO, Creso (Org.). Avaliação, ciclos e promoção na educação. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

FREIRE, P. (2004). Entrevista com Paulo Freire: a educação neste fim de século. In M. Gadotti,
Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione.

_______, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2000.

GREMAUD, A. P. et al. Guia de estudo: avaliação continuada. Juiz de Fora, MG: FADEPE, 2009.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo:
CORTEZ EDITORA, 2011.
MOREIRA, A. F. B; SILVA, T. T. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

MINHOTO, M. A. Modelação Curricular do Ensino Médio: análise de prescrições legais e do papel da avaliação dos sistemas de ensino. JORNAL DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS. N° 5 | Janeiro–junho DE 2009 | PP. 27–36

OLIVEIRA, P. P. Dois lados da mesma moeda. In: CHAVES JR. I. O. (Org.). O trabalho escolar e a matriz curricular por descritores: desafios e possibilidades. Rio de Janeiro: Jaguatirica, 2016.

PACHECO, J. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, 1996.

PERRNOUD, P. Pedagogia Diferenciada, das intenções as ações. Porto Alegre: Editora Artmed, 2000.


SACRISTÁN, J. G. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed., Porto Alegre-RS: Art Med, 2000.

VASCONCELOS, C. dos S. Avaliação da Aprendizagem: Práticas de Mudança – Por uma práxis transformadora. 7. ed. São Paulo: Libertad, 2005.

ZABALA, A. A Prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.
Publicado
12/08/2019