O CINEMA NO ENSINO DE FILOSOFIA

ESPAÇO DE DEBATE E REFLEXÃO

  • Emanuelle Beserra de Oliveira UFC
Palavras-chave: Cinema. Filosofia. Formação. Antifilme.

Resumo

Sem dúvida o cinema possui um potencial formador, a imersão em determinadas obras fílmicas são capazes através da imaginação, despertar a reflexão. No entanto, teria todos os filmes essa capacidade formativa? Pensar o cinema com capacidade formativa, capaz de atuar na reeducação dos sentidos do público que o recepciona é pensar uma linguagem cinematográfica que apesar de inserida nos parâmetros da indústria cultural resiste a esse processo nivelador que massifica a arte. A esta resistência ou negação da determinação do mercado, Theodor Adorno atribuiu o termo antifilme. Os cineastas que se voltaram contra as regras de domínio da indústria do cinema, surgiram cada um com o seu antifílmico, depositando em suas produções um pouco dessa capacidade formativa. E será através da negação aos moldes industriais que se o caminho de possibilidades para o cinema se tornar um agente emancipador se consolidará ao proporcionar espaços de debate e reflexão acerca do conteúdo visto.

Referências

ADORNO, Theodor W. Filosofia da Nova Música. Tradução: Magda França. São Paulo: Perspectiva, 2011.
___________________- MinimaMoralia: reflexões sobre a vida danificada. Tradução de Luiz Eduardo Bicca. São Paulo: Ática, 1992.

__________________. Notas sobre o filme[1966]. In: Cohn, Gabriel (org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986 (coleção Grandes Cientistas Sociais), pp.100-107.

__________________. A indústria cultural.[1967]. In: Cohn, Gabriel (org.). Theodor W. Adorno. São Paulo: Ática, 1986 (coleção Grandes Cientistas Sociais), pp.92-99.

___________________. Palavras e Sinais: modelos críticos 2. Tradução de Maria Helena Ruschel; supervisão de Álvaro Valls. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995b.

ADORNO, Theodor W. & HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução, Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1985.

ADORNO, Theodor W.; EISLER, Hans. Kompositionfür den Film. In: GesammelteSchrifen 15. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1976.

CANEVACCI, M. Antropologia do Cinema. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1984.

COUSINS, Mark. História do Cinema: dos clássicos mudos ao cinema moderno. Tradução: Cecília Camargo Bartalotti. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

GEADA, Eduardo. O imperialismo e o fascismo no cinema. Lisboa: Moraes Editores. 1977.

JAY, Martin. As idéias de Adorno. Tradução Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Cultrix: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.
Publicado
23/12/2019