Vilões ou Mocinhos? Sequência didática como mecanismo facilitador da aprendizagem sobre os artrópodes no Ensino de Biologia

Palavras-chave: conceito científicos, painel, protagonismo juvenil, aula prática

Resumo

Esta sequência didática teve objetivo de propiciar aos alunos uma aprendizagem de conceitos e importância dos artrópodes para o equilíbrio da vida na terra. Envolveu 70 alunos do Ensino Médio em quatro momentos, utilizando aula teórica e prática. Durante a aula prática, estes em grupo, montaram um painel com representantes de artrópodes e plantas de plásticos. Fizeram a análise de uma imagem com diversos artrópodes, responderam três questões abertas sobre essa imagem, antes e após as aulas. O resultado foi registrado em percentual nos gráficos. Esta abordagem facilitou a aprendizagem de conceitos do conteúdo proposto, alcançando o objetivo. A utilização de vários métodos de ensino foi importante na aprendizagem de conteúdos científicos pelos alunos no estudo de artrópodes, enfatizou-se a importância desses seres tanto para ecologia como para humanidade, pois, sem conhecimento a maioria dos alunos os consideram como seres prejudiciais e “vilões”, como demonstrou este processo de aprendizagem.

Biografia do Autor

Alessandra Regina Butnariu, Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

Professora Doutora no Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Biologia (PROFBIO) da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Campus, Tangará da Serra

Referências

ALVES, Luis Francisco Angeli; BUSARELLO, Giovana Daniela; GIANOTTI, Sandra Moraes. Os artrópodes nos materiais didáticos utilizados em escolas da rede particular do Ensino Médio em Cascavel/PR. Revista Varia Scientia, v. 6, n. 12, p. 107-120, 2006.
AMORIM, Alessandra dos Santos. Diversidade biológica e evolução: uma nova concepção para o ensino de zoologia e botânica no 2º grau. In: Barbiere M. R. A construção do conhecimento pelo professor. Ribeirão Preto: Ed Holos /FAPESB, 2001.
ARAÚJO, Mayra de Castro Miranda. Competências do Professor para o trabalho com projetos de forma eficaz. 2009. 145f. Dissertação (Mestrado em Educação tecnológica) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais/CEFETMG, Belo Horizonte.
ARAÚJO-DE-ALMEIDA, Elineí. Ensino de Zoologia: ensaios didáticos. 1. ed. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 2007. 184p.
BEHRENS, Marilda Aparecida. O paradigma Emergente e a Prática Pedagógica na formação Universitária. Caderno de Circulação Interna Educação Pucpr, PUCPR, v. v.1, n.01, p. 27-42, 1999. Disponível em: Acesso: 4 Abr. 2020.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 3ª versão revisada, Brasília: MEC, 2018. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ > Acesso em: 10 Abr. 2020.
BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais mais para o ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas Tecnologias. Brasília, 2002.
BRUSCA, Richard C. BRUSCA, J. GARY. Invertebrados 2ª. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
CARNEIRO, Ana Paula Neto. A Evolução Biológica aos olhos de professores não licenciados. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, UFSC, Florianópolis, 2004.
COSTA, Ronaldo Gonçalves de Andrade. Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Revista Didática Sistêmica (Online), v. 8, p. 162-171, 2008. Disponível em: acesso em: 12 Mar. 2020.
ESTEVES, Katharina Eichbaum; ARANHA, José Marcelo Rocha. Ecologia trófica de peixes e riachos. Rio de Janeiro: PPGE-UFRJ. Série A ecologia Brasilliensis, vol. VI.1999.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 37ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
KRASILCHIK, Myrian. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU; EDUSP. 2004.
LIMA, Lúcio Flávio Freire; CHAPANI, Daisi Teresinha; SILVA JÚNIOR, Juvenal Cordeiro. Conhecimento escolar e cultura popular nos conhecimentos de um grupo de estudantes a respeito dos insetos, no município de Jequié, Bahia. Revista ARETÉ, v. 10, n. 22, p. 23-34, 2017.
MARINHO, Paulo Henrique Dantas; PALMA, Gabriela Xavier Silveira; CARVALHO, Rômulo Machado de; SANTOS, Anna Bárbara Pinto; MEDEIROS, Vitor Bezerra de; SOUZA, Annie da Costa; GOIS, Vitor Emílio de; ARAÚJO-DE-ALMEIDA, Elineí; ARAÚJO-DE-ALMEIDA, Elineí. Construção de abordagem lúdica e inovadora para aprendizagem do táxon Syndermata: O POTENCIAL DE UMA SIMULAÇÃO TELEJORNALÍSTICA. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), Goiânia, v. 5, p. 1-7, 2012.
OLIVEIRA, Maria Marly. Sequência didática interativa no processo de formação de professores. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
PAIVA, Marlla Rúbya Ferreira; PARENTE, José Reginaldo Feijão; BRANDÃO, Israel Rocha; QUEIROZ, Ana Helena Bomfim. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE, Sobral. V. 15, nº 2, p 145-153, jun/dez, 2016.
POLICARPO, Ivan; STEINLE, Marlizete Cristina Bonafini. As Contribuições dos recursos alternativos na prática pedagógica. Disponível em: Acesso: 10 Dez. 2020.
POZO, Juan Ignácio. Teorias cognitivas da aprendizagem. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
RAVEN, Peter Hamilron; EVERT, Ray Franklin; EICHHORN, Suzan E. Biologia Vegetal. 7ª ed. Editora Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro. 2007.
RECH, André Rodrigo; AGOSTINI, Kayna; OLIVEIRA, Paulo Eugênio Alves Macedo; MACHADO, Isabel Cristina. Biologia da polinização. 1ª ed. Rio de Janeiro: Projeto Cultural. 2014.
SANTOS, Carlos Alberto Moreira. O uso de Metodologias Ativas de aprendizagem a partir de uma perspectiva interdisciplinar. In: Congresso Nacional de Educação, 12, 2015, Curitiba PR. Anais... Curitiba PR, 2015, p. 27202-27212. Disponível em: Acesso: 4 Abr. 2020.
SANTOS, Saulo Cezar Seiffert; Fachín-Terán, Augusto. Aprendizagem significativa, modelos mentais e analogias no contexto construtivista: uma aproximação possível para o ensino de ciências. In: Ierecê Barbosa; Augusto Fachín Téran; Amarildo Menezes Gonzaga; Saulo Cézar Seiffert Santos. (Org.). Educação em Ciências na Amazônia: múltiplos olhares. Manaus: UEA Edições, 2011, v. p. 203-221.
SASSERON, Lúcia Helena. Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In: CARVALHO, A. M. Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: CENGAGE Learning. 2013.
SCHWARZ, Vera Regina Karpss. Contribuição dos jogos educativos na qualificação do trabalho docente, 2006. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Faculdade de Física da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2006. Disponível em:< https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/7158/2/CRISLAINE_OLIVEIRA.pdf> Acesso: 4 Abr. 2020.
SILVA, Everton Ricardi L. da Silva; ALVES, Luis Francisco A. Alves; GIANNOTTI, Sandra Moraes. Análise do conteúdo de artrópodes em livros didáticos de biologia do ensino médio e o perfil do professor: estudo de caso. Varia Scientia, v. 6, n. 11, p. 83-98, 2006.
SILVA, Francivania Santos Santana; MORAIS, Leile Jane Oliveira; CUNHA, Iane Paula Rego. Dificuldades dos professores de biologia em ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas no município de Imperatriz (MA). Revista UNI, Imperatriz (MA). Ano 1. n.1, p.135 p.149, 2011.
SILVA, Renato Amorim; SILVA, Anderson Thiago Monteiro; LEITE NETA, Alzira Lucena Correa; CARVALHO, Maria Eduarda Alves; NEVES, Ricardo Ferreira Neves. CONCEPÇÕES DOS ESTUDANTES DE UMA TURMA DE ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE OS ARTRÓPODES. In: V Congresso Nacional de Educação, 2018, Recife. Anais do V Congresso Nacional de Educação, 2018.
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
26/04/2021