CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS

  • Klenicy Kazumy de Lima Yamaguchi Universidade Federal do Amazonas
  • Jéssica Cruz Chagas
  • Jéssica Cruz Chagas
  • Alessandra Rodrigues Marques
  • Rosilene Gomes da Silva Ferreira
  • Rosilene Gomes da Silva Ferreira
  • Rosilene Gomes da Silva Ferreira
Palavras-chave: Professores em formação. Prática de ensino. Metodologia de projetos.

Resumo

O objetivo desse estudo foi avaliar as contribuições do estágio supervisionado do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade do Estado do Amazonas e analisar o uso de metodologia de projetos para o ensino de Ciências e Biologia na Educação Básica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa baseada em um estudo de caso onde a metodologia de projetos foi utilizada para realizar intervenções pedagógicas alternativas. A amostra de estudo foi constituída por 8 estagiários e 4 professores supervisores de escolas públicas de Manaus (Amazonas). Foi aplicado um questionário aberto com questões referentes a experiência, as expectativas, as motivações, a metodologia e as dificuldades enfrentadas sob a perspectiva dos estagiários e professores que participaram do estágio. Os resultados permitem concluir que a experiência foi positiva, motivadora e correspondeu às expectativas de professores e estagiários, demonstrando a eficácia da metodologia de projetos, apesar das dificuldades para implementação ao longo do processo.

Referências

AGOSTINI, S.; TERRAZZAN, E. A. O estágio curricular supervisionado na UFSM: o trabalho docente no ensino superior. Diálogo Educação, v. 12, n. 37. Curitiba, 2012. p. 977-995.

ASSAI, N. D. de S.; BROIETTI, F. C. D.; ARRUDA, S. de M. O Estágio Supervisionado na formação inicial de professores: estado da arte das pesquisas nacionais da área de Ensino de Ciências. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 34, e203517, 2018 .

AMBROSETTI, N. B. et al. Contribuições do PIBID para a formação inicial de professores: o olhar dos estudantes. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 4, n. 1, p. 151-174. 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1977.

BEHRENS, M. A. Formação continuada dos professores e a prática pedagógica. Curitiba, Paraná: Champagnat, 1996.

BIANCHI, A. C. M. Manual de Orientação: Estágio Supervisionado. São Paulo: Pioneira, 1998

BRAIT, L. F. R. et al. A relação professor/aluno no processo de ensino e aprendizagem. Revista Eletrônica do Curso de Pedagogia do Campus Jataí – UFG. v.8 n.1 jan/jul 2010.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 11.788 de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio dos estudantes. Diário Oficial da União. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino
Planejando a próxima década conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. 2014. Disponível em: 20_metas.pdf>. Acesso em: 30.07.2019.

BURIOLLA, M. A. F. Supervisão em serviço social: o supervisor, sua relação e seus papéis. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1996.

CARVALHO, A. M. P. de. Prática de Ensino: os estágios na formação do professor. São Paulo: Pioneira, 1985.

CARRAHER, D. W. Educação Tradicional e Educação Moderna. In: CARRAHER, T. N. (Org.). Aprender Pensando: Contribuições da Psicologia Cognitiva para a Educação. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 11-30.

CARVALHO, A. M. P. de. A Influência das Mudanças da Legislação na Formação de Professores: as 300 Horas de Estágio Supervisionado. Ciência e Educação, v.7, n.1, p. 113-122, 2001.

CARVALHO, A. M. P. de. Os Estágios nos Cursos de Licenciatura. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

CHARLOT, B. O Professor na Sociedade Contemporânea: um trabalhador da contradição. Educação e Contemporaneidade, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul./dez. 2008.

COSTA, J. S. Interação Social e Construtivismo no Ensino de Ciências: Um estudo Acerca da Evolução dos Conhecimentos Prévios dos Alunos de Ensino Fundamental sobre o Sistema Circulatório Humano. 2014. 126 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biologia Licenciatura) – Universidade Federal de Alagoas. Campus de Arapiraca, Alagoas, Arapiraca, 2014.

FIORENTINI, D. A pesquisa e as práticas de formação de professores de matemática em face das políticas públicas no Brasil. Bolema, Rio Claro: UNESP, ano 21, n. 29, 2008, p. 43- 70.

GONDIN, M. S. C; SEGATTO, M. S. O estágio supervisionado e suas dificuldades na visão de estagiários em licenciatura em Química do IQUFU. Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC. Águas de Lindóia, SP – 24 a 27 de Novembro de 2015.

HERNANDEZ, F; VENTURA, M. Transgressão e Mudança na Educação. Porto Alegre, ArtMed, 1998.

MAZIERO, A. da R. e CARVALHO, D. G. A contribuição do supervisor de estágio na formação dos estagiários. Acta Scientiae Canoas v. 14 n.1 p.63-75 jan./abr. 2012.

MIZUKAMI, M. da G. N. Ensino: as Abordagens do Processo. São Paulo: E.P.U., 2011.

OLIVEIRA, E.S.G.; CUNHA, V.L. O estágio Supervisionado na formação continuada docente à distância: desafios a vencer e Construção de novas subjetividades. Revista de Educación a Distancia. Ano V, n. 14, 2006.

PATTON, M. G. Qualitative Research and Evaluation Methods, 3 ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2002.

PICONEZ, S. C; FAZENDA, I. A prática de Ensino e o Estágio Supervisionado. In: KULCSAR, R.; PICONEZ, S. C.(org.) O Estágio Supervisionado como atividade Integradora. 10. Ed. São Paulo: Papirus, 2004. p. 63-74.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004 (Coleção docência em formação). Série Saberes pedagógicos.

PRADO, M. Pedagogia de Projetos. Série Pedagogia de Projetos e Integração de Mídias - Programa Salto para o Futuro, 14p. 2003.

ROSA, J. K. L. et. al.; Formação docente: reflexões sobre o estágio curricular. Ciência & Educação, v. 18, n. 3, p. 675-688, 2012.

ROBSON, A. S.; INFORSATO, E. C. Aula: o ato pedagógico em si. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 80-85, v. 9.

RODRIGUES, P. L.; CERDEIRA, V. A. A. A autonomia do professor em sala. São Paulo. 2017. 8 p.

SANTOS, F. V. et al. Contribuições do estágio supervisionado no processo de ensino-aprendizagem de biologia: relato de experiência. 9º Encontro Internacional de professores. V.8, n. 1. 2015.

SILVA, R. M. G.; SCHNETZLER, R. P. Concepções e ações de formadores de professores de química sobre o estágio supervisionado: propostas brasileiras e portuguesas. Química Nova, v. 31, n. 8. São Paulo, 2008, p. 2174-2183.


TEIXEIRA, P. M. M. (2001). Reflexões sobre o Ensino de Biologia realizado em nossas escolas. In: Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC). Atibaia, 2001.

UEA. Universidade do Estado do Amazonas. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Manaus, 2013.

YIN. R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
Publicado
14/12/2020