MAPA CONCEITUAL COMO FERRAMENTA FACILITADORA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE CIÊNCIAS

  • Suiane Costa Alves CREDE 1
  • Eduardo Viana Freires CREDE 1/SEDUC
  • Marian Costa Cavalcante
  • Francisco Alleon Dias Alves
Palavras-chave: Mapa conceitual; Jogos Interdisciplinares; Ensino de Ciências.

Resumo

Resumo: O presente trabalho relata a investigação realizada em uma turma de 6º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública na cidade de Fortaleza - CE e que consistiu na utilização de jogos escolares associado aos mapas conceituais (MCs) como ferramenta facilitadora da aprendizagem do ensino de Ciências fazendo uso da construção de material lúdico pelos alunos como instrumento educacional no processo de ensino-aprendizagem. O paradigma teórico-metodológico da aprendizagem significativa de David Ausubel norteou este estudo, que produziu resultados satisfatórios com o uso dos MCs como ferramenta na construção da aprendizagem do conteúdo abordado de ecologia, doenças transmitidas por vírus e bactérias, conhecendo a biosfera e corpo humano. Esse estudo confirma que a relação entre conceitos requisitada pelos MCs pode ser assimilada pelos estudantes, promovendo a aprendizagem significativa.

Referências

AUSUBEL, D. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Editora Plátano, 2000.

__________. Educational Psychology: A Cognitive View. New York and Toronto: Holt, Rinehart and Winston, 1968.

__________. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BRASIL, 2017. Base Nacional Comum Curricular (Ensino Fundamental). Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf> Acesso em 31 Ago. 2018.

BRASIL, 2000. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Disponível em: Acesso em: 31 Ago. 2018.


Cachapuz, A.; Gil-Perez, D.; Carvalho, A. M. P.; Praia, J.; Vilches, A. (2011). A necessária renovação do ensino de ciências. Cortez, 3, 17-30.

Correia, P. R. M.; Donner, J. W. A.; Infante-Malachias, M. E. (2008). Mapeamento conceitual como estratégia para romper fronteiras disciplinares: a isomeria nos sistemas biológicos. Ciência e Educação, 14, 483-495.

Freitas Filho, J. R. (2007). Mapas Conceituais: estratégia pedagógica para construção de conceitos na disciplina química orgânica. Ciências & Cognição, 12, 86-95.

LIMA, I. B.; ALVES, S. C. (2016). Educação Ambiental e Interdisciplinaridade: da explicitação de conceitos nos PCNs e DCNEM à prática pedagógica no Ensino Médio. Fortaleza: EdUECE. 1, 51-69.

Moreira, M. A. (2013). Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Física.

Moreira, M. A. (1998). A pesquisa em educação em ciências e a formação permanente do professor de ciências. In SÁNCHEZ, J.M.; OÑORBE, T. Y BUSTAMANTE, G.I. (Ed.), Educación Científica. España: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Alcalá.

____________. (2013). Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Porto Alegre: Ed UFRGS, Instituto de Física.

Pelizzari, A.; Kriegl, A. L.; Baron, M. P.; Finck, N. T. L.; Dorocinsk, S. I. (2002). Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista do Programa de Educação Corporativa, 2(1), 37-42.

Pozo, J. I.; Crespo, M. A. G.; (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5ª ed. – Porto Alegre: Armed.

Toigo, A. M.; Moreira, M. A.; Costa, S. S. C. (2012). Revisión de la literatura sobre el uso de mapas conceptuales como estrategia didáctica y de evaluación. Investigações em ensino de ciências, 17, 305-339.

Trindade, J. O.; Hartwig, D. R. (2012). Uso combinado de mapas conceituais e estratégias diversificadas de ensino: uma análise inicial das ligações químicas. Química Nova na Escola, 34, 83-91.
Publicado
08/12/2019